A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE UM PROTOCOLO COMO FERRAMENTA PARA O TRABALHO DE IDENTIFICAÇÂO DE SINAIS DE RISCO PARA AUTISMO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

IDENTIFICAÇÃO DE SINAIS DE RISCO PARA AUTISMO

  • Júlia Vitório OCTAVIANI
  • Claudia Meneghetti HOFFAMANN
  • Joice Regina da Silva FERRAZ
  • Jaqueline Viela BULGARELI
  • Andreza Maria Luzia Baldo de SOUZA
  • Rosana de Fátima POSSOBON
  • Maria Helena Ribeiro DE CHECCI
  • Luciane Miranda GUERRA
  • Brunna Verna Castro GONDINHO

Resumo

O Autismo consiste em um conjunto heterogêneo de transtornos no desenvolvimento, sua etiologia é desconhecida, o diagnóstico é realizado de maneira clínica e atualmente existem instrumentos de avaliação para auxiliar na identificação de risco, pois quanto mais precoce o diagnóstico melhor será para uma intervenção também precoce. Objetivo: ressaltar a importância da utilização do protocolo PREAUT para avaliar seus sinais de risco. Método: Revisão integrativa da literatura na base de dados PubMed. Resultado: Foram selecionados 3 artigos dos 25 encontrados. Conclusão: Os artigos utilizados para este trabalho corroboram com a literatura a respeito do uso do protocolo PREAUT, e no geral, ressaltam as pesquisas positivas sobre sua utilização. Sugere-se continuidade de pesquisas relacionadas a esse instrumento de avaliação, sendo o desenvolvimento deste estudo mais uma etapa para se ressaltar a importância da aplicação de um protocolo.

Biografia do Autor

Júlia Vitório OCTAVIANI

Mestranda em Gestão e Saúde Coletiva – FOP/UNICAMP

Claudia Meneghetti HOFFAMANN

Especialista em Atendimento Interdisciplinar Preventivo na Primeira Infância - FOP/UNICAMP

Joice Regina da Silva FERRAZ

Especialista em atendimento interdisciplinar Preventivo na Primeira Infância – FOP/UNICAMP

Andreza Maria Luzia Baldo de SOUZA

Mestranda em Gestão e Saúde Coletiva – FOP/UNICAMP

Rosana de Fátima POSSOBON

Doutora em Odontologia - área Psicologia Aplicada da FOP/UNICAMP

Maria Helena Ribeiro DE CHECCI

Doutora em Odontologia - área Saúde Coletiva da FOP/UNICAMP

Luciane Miranda GUERRA

Doutora em Odontologia – área Psicologia Aplicada – FOP/UNICAMP

Brunna Verna Castro GONDINHO

Doutoranda em Odontologia - Saúde Coletiva – FOP/UNICAMP

Referências

Adurens FDL, Melo MS. Reflexões acerca da possibilidade de prevenção do autismo. Estilos da Clínica. 2017; 22(1):150-65.

Almeida TR. Protocolo Preaut auxilia na identificação precoce do autismo. 2018. Disponível em: http://pequenoprincipe.org.br/noticia/protocolo-preaut-auxilia-na-identificacao-precoce-do-autismo.Acesso em: 06 jan. 2020.

Campana NTC. Uso de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil (IRDI) na detecção de sinais de problemas de desenvolvimento associados ao autismo. [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia, 2013.

Catão I. O bebê nasce pela boca: voz, sujeito e clínica do autismo. São Paulo, SP: Instituto Langage; 2009.
Coriat L, Jerusalinsky A. Definição de estimulação precoce. Porto Alegre: Centro Lydia Coriat; 1997. (Escritos da criança, 1). p. 72-5.

Cullere-Crespinc G, Parlato-Oliveira E. Projeto PREAUT. In: Jerusalinsky A. (Org.). Dossiê autismo. São Paulo, SP: Instituto Langage; 2015. p. 436-55.

Freitas-Silva LR, Ortega FJG. A epigenética como nova hipótese etiológica no campo psiquiátrico contemporâneo. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2014; 24(3):765-86.

Guthrie W, Swineford LB, Nottke C, Wetherby AM. Early diagnosis of autism spectrum disorders: Stability and change in clinical diagnosis and symptom presentation. Journal of Child Psychology and Psychiatry. 2013; 54(5):582-90.

Jendreieck CDO. Dificuldades encontradas pelos profissionais da saúde ao realizar diagnóstico precoce de autismo. Psicologia Argumento. 2014; 32(77):153:8.

Jerusalinsky A. Tornar-se sujeito é possível ou impossível para um autista? Quando e quem decide isto? Dossiê autismo. São Paulo: Instituto Langage; 2015. p. 22-51.

Jerusalinsky J. A criação da criança: brincar, gozo e fala entre a mãe e o bebê. Salvador, BA: Álgama; 2011.

Koegel LK, Koegel RL, Ashbaugh K, Bradshaw J. The importance of early identification and intervention for children with or at risk for autism spectrum disorders. International Journal of Speech-Language pathology. 2014; 16(1), 50-6.

Laznik, MC. La recherche PREAUT. Evaluation d’un ensemble cohérent d’outils de repérage des troubles précoces de la communication pouvant présager un trouble grave du développement de type autistique. Projeto; 1998.

Laznik-Penot MC. Poderíamos pensar numa prevenção da Síndrome Autística? In: Wanderley D. (Org.). Palavras em torno do berço: intervenções precoce, bebê e família. Salvador: Agálma; 1997. p. 35-51.

Matson JL, Wilkins J, Gonzalez M. Early identification and diagnosis in autism spectrum disorders in young children and infants: How early is too early? Research in Autism Spectrum Disorders. 2008; 2:75-84.

Muratori F. Manual precoce no autismo: guia prático para pediatras. Núcleo Interdisciplinar de Intervenção Precoce da Bahia; 2014.

Olliac B, et al. Infant and dyadic assessment in early community-based screening for autism spectrum disorderwith the PREAUT grid. PLOS ONE. 2017; 12(12):1-22.

Ouss L, et al. Infant’s engagement and emotion as predictors of autism or intellectual disability in West syndrome. European Child & Adolescent Psychiatry. 2014; 23(3):143-9.

Rechia IC, et al. Auditory maturation and psychological risk in the first year of life. CODAS. 2018; 30(4):1-8.

Sato F, Paula CS, Lowenthal R, Brunoni D, Schwartzman JS, Mercadante MT. Instrument To Screen Cases of Pervasive Developmental Disorder - A Preliminary Indication of Validity. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2009; 31:30-3.

Sibemberg N. Autismo e linguagem. In: In Centro Lydia Coriat (Org.). Escritos da criança. Porto Alegre: Centro Lydia Coriat; 1998. p. 60-71.

Visani P, Rabello S. Considerações sobre o diagnóstico precoce na clínica do autismo e das psicoses infantis. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. 2012; 15(2):293-308.

Volkmar FR, Mcpartland JC. From Kanner to DSM-5: autism as an evolving diagnostic concept. Annu Rev Clin Psychol. 2014; 10:193-212.
Publicado
2020-04-07
Como Citar
OCTAVIANI, Júlia Vitório et al. A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE UM PROTOCOLO COMO FERRAMENTA PARA O TRABALHO DE IDENTIFICAÇÂO DE SINAIS DE RISCO PARA AUTISMO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. REVISTA FAIPE, [S.l.], v. 10, n. 1, p. p. 47-56, apr. 2020. ISSN 2179-9660. Disponível em: <http://revistafaipe.lifesistemas.com.br/index.php/RFAIPE/article/view/184>. Acesso em: 30 oct. 2020.
Seção
SAÚDE COLETIVA

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

  • Júlia Vitório OCTAVIANI, Ismael Mendes da SILVA, Cláudia Aline de Brito OLIVEIRA, Patrícia Carvalho MOREIRA, Brenna Rayana Castro GONDINHO, Maria Helena Ribeiro DE CHECCHI, Brunna Verna Castro GONDINHO, Luciane Miranda GUERRA, SAÚDE MENTAL , REVISTA FAIPE: v. 10 n. 1 (2020)